Licença-Maternidade: Tudo que você precisa saber!

14 maio, 2023
Gravida que vai requerer licença maternidade

Eu sei que em sua empresa há colaboradores que irão se afastar devido à licença-maternidade.

Entretanto, muitas dúvidas surgem em relação a essa licença, como por exemplo, o que devo pagar e quem pode pedir.

Pensando nisso, nós, do escritório Moraes Monteiro, preparamos esse guia com tudo que você precisa saber sobre a licença-maternidade.

Nesse guia você saberá:

  • O que é licença-maternidade.
  • A diferença entre licença-maternidade e estabilidade da gestante.
  • O que pode ser descontado da licença-maternidade.
  • Quanto tempo dura a licença-maternidade.
  • Gestante tem direito a férias?

Imagine que você está em sua empresa e recebe a notícia que sua melhor assistente está grávida. É quando você fica travado sem saber o que fazer.

É obvio que será requisitada a licença-maternidade, mas, o que fazer?

E pior: se tomar a atitude incorreta, ainda corre o risco de não respeitar os direitos da colaboradora.

Saiba mais sobre os direitos das gestantes na licença-maternidade.

Essas são algumas regras para ajudar com a requisição da licença-maternidade.

Esperamos que esse artigo te auxilie com a licença-maternidade, mas sempre busque o auxílio de um advogado especialista no assunto.

Nós, do escritório Moraes Monteiro estamos inteiramente à disposição para ajudar! Não deixe de visitar nosso site para se aprofundar no assunto!

Vamos saber o que é a licença-maternidade?

O que é a licença-maternidade?

A licença-maternidade é um benefício do INSS concedido à mãe ou ao pai nos casos em que ocorra o nascimento, a adoção ou o aborto não criminoso de um filho.

Para surpresa: a licença-maternidade também é concedida no aborto tanto para a mãe quanto para o pai.

A licença-maternidade preserva salário e estabilidade do contrato de trabalho da colaboradora.

Portanto, você não poderá demiti-la, mas deverá mantê-la no quadro de funcionários. Fique atento!

Poderão pedir a licença-maternidade os contribuintes do INSS, ou seja, aqueles funcionários que por pagarem o INSS mensalmente, possibilitam o afastamento das atividades profissionais por um período determinado, ficando a empresa sem o colaborador por um tempo.

O objetivo do benefício é garantir que mães e pais acompanhem os primeiros meses de vida de seu filho sem perderem o direito ao salário ou remuneração.

Por essa razão, durante a licença-maternidade é garantida a estabilidade do contrato de trabalho e o salário-maternidade sem prejuízos para os funcionários.

E não se esqueça que esse benefício também é garantido ao pai com as mesmas regras.

Vamos conhecer as regras:

Licença maternidade precisa do Vínculo com INSS?

A Licença-Maternidade é concedida de acordo com algumas condições especiais previstas em Lei.

O funcionário deverá ter vínculo com o INSS para validar o pedido da licença, ou seja, deverá ser contribuinte previdenciário.

O vínculo com o INSS deverá ser feito por meio de carteira assinada, pagando carnê ou a Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social (GFIP).

Estabilidade da Gestante: Como funciona?

A estabilidade provisória da gestante inviabiliza o término do contrato de forma arbitrária. Dessa forma, o empregador deverá manter a gestante até o fim da correspondente garantia.

Caso isso não aconteça, ele deverá, compulsoriamente, reintegrá-la ao trabalho ou indenizá-la pelo período equivalente à sua estabilidade.

Posso demitir por justa causa o colaborador em licença-maternidade?

Pode haver demissão por justa causa mesmo em período de estabilidade.

Se for comprovado o cometimento de alguma falta grave prevista no artigo 482 e suas alíneas (CLT), a demissão por justa causa pode ser autorizada.

Ou seja, mesmo no período de estabilidade durante a licença-maternidade, a funcionária pode ser demitida. Recomendamos a leitura do nosso artigo sobre demissão por justa causa para entender melhor como demitir por justa causa!

Garantia de emprego vs. Licença-maternidade: Qual a diferença?

A licença-maternidade é o período em que a gestante permanece afastada do trabalho.

Ou seja, é um benefício do INSS pago à mulher ou homem contribuinte que precisa se ausentar do trabalho para dar atenção à chegada do filho.

Por sua vez, a estabilidade diz respeito ao tempo em que a mulher gestante tem seu emprego garantido.

Quais os requisitos para a Licença-Maternidade? [Regras para Licença Maternidade]

Há 6 casos específicos para que o segurado tenha direito à licença-maternidade e ao salário-maternidade:

  • Nascimento de um filho
  • Adoção ou guarda judicial para fins de adoção
  • Aborto não criminoso (espontâneo ou em decorrência de estupro)
  • Filho natimorto (bebê nascido morto)
  • Pais (Licença – paternidade)
  • Morte da genitora

Lembrando que temos um artigo completo sobre o assunto. Não deixe de conferir também!

Vamos conhecer cada um dos requisitos:

#1 Nascimento de um filho

O nascimento de um filho é um dos principais motivos para requerer a Licença-Maternidade.

Para solicitar sua retirada do trabalho, as funcionárias devem apresentar ao empregador atestado médico ou certidão de nascimento.

A licença-maternidade permite o afastamento 28 dias antes do parto até 92 dias após o nascimento do bebê.

Já as mães desempregadas e demais seguradas deverão apresentar a certidão de nascimento diretamente ao INSS.

#2 Adoção ou guarda judicial para fins de adoção

A lei também protege as mulheres que se tornam mães por meio da adoção.

Para isso, elas devem apresentar o termo de guarda ou certidão nova no INSS.

Essas mães têm garantido o afastamento do trabalho a partir da adoção sem prejuízo de salário pelo período de 120 dias.

Atenção! A Licença-Maternidade é concedida, em caso de adoção, às seguradas que adotam crianças de até 12 anos.

#3 Aborto não criminoso (espontâneo ou em decorrência de estupro)

Funcionárias que passem por um aborto espontâneo, antes das 23 semanas de gestação, têm direito à Licença-Maternidade.

O afastamento do trabalho deve ocorrer sem prejuízo de salário e tem um período de até 14 dias a partir da ocorrência do aborto.

Para isso, elas necessitam somente apresentar atestado médico, comprovando a situação ao INSS.

#4 Filho natimorto (bebê nascido morto)

Nos casos em que o bebê morre no útero da mãe ou nasce já sem vida, a mulher terá direito aos 120 dias de licença-maternidade, assim como auxílio.

Tal disposição está presente no artigo 343 da Instrução Normativa n° 77, de 21 de janeiro de 2015.

#5 Pais (Licença -paternidade)

O pai do recém-nascido ou da criança adotada possui direito à licença- paternidade remunerada de cinco dias corridos, a partir da data de nascimento da criança ou da adoção.

No caso das empresas vinculadas à Empresa Cidadã, é possível estender a licença para até 20 dias.

Para isso, o pai precisa solicitar o benefício junto à sua empresa, no prazo de dois dias úteis após o parto ou adoção de crianças (até 12 anos).

#6 Morte da genitora

Em caso de morte da genitora (mãe), é assegurado ao cônjuge ou companheiro que está empregado o gozo de licença por todo o período da licença-maternidade ou pelo tempo restante que a mãe teria direito.

Essa regra está disposta no artigo 392-B da CLT.

Caso o filho venha falecer ou for abandonado, o cônjuge ou companheiro não perderá o direito à licença-maternidade.

Férias após a Licença–maternidade: É possível?

O direito a férias é garantido ao funcionário após 12 meses da vigência do contrato (período aquisitivo), adquirindo direito a 30 dias corridos de descanso remunerado.

No entanto, há casos em que, na mesma época da licença-maternidade, a funcionária gestante também tem direito às férias.

Nessa situação, em acordo com a trabalhadora, se assim desejar, poderá solicitar suas férias logo após o período da licença.

Com isso, a mãe poderá ter um período maior de contato com o bebê em seus primeiros meses de vida.

Quem paga o salário durante a licença-maternidade?

O salário-maternidade é o benefício pago pelo INSS à segurada durante o período da licença-maternidade.

O responsável pelo pagamento é o INSS e não a empresa.

As principais dúvidas sobre o salário-maternidade são referentes ao valor pago e ao tempo de duração do salário.

Quais valores posso descontar da licença-maternidade?

Durante a licença-maternidade, alguns descontos podem ser realizados normalmente, tais como FGTS, INSS e IRRF.

O salário-maternidade conta como tempo de contribuição e, por isso, há o desconto do INSS.

O Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) também desconta normalmente do salário-maternidade.

Licença-maternidade: fique atento aos direitos!

A licença-maternidade é um assunto complexo devido às várias regras e possibilidades que autorizam a licença.

Qualquer erro na licença poderá gerar um dano indesejável ao empregador, como também gerar um pedido de indenização pelo colaborador.

Esse é um guia para que você entenda como agir frente a um colaborador com direito à licença-maternidade.

Esperamos que esse artigo possa ter ajudado você nas principais dúvidas sobre a licença-maternidade.

Entretanto, sempre é aconselhado o acompanhamento de um profissional jurídico para sanar eventuais dúvidas.

Caso tenha ficado alguma dúvida, a equipe do Moraes Monteiro Advocacia estará disposta a lhe ajudar.

Advogado Luis Otávio Moraes Monteiro

Olá! Você sabe qual é a importância do advogado?

Ter o auxílio de um advogado de confiança é fundamental para reduzir os riscos e ter sucesso em seu caso jurídico.

Com experiência em SP e todo Brasil, estou à disposição para te ajudar nas questões jurídicas que necessitar.

Agende a sua consulta

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Moraes Monteiro Advocacia é um escritório estabelecido em São José do Rio Preto, São Paulo, fundado pelo advogado Luis Otávio Moraes Monteiro.

Composto por profissionais com experiência em diversas áreas do Direito, focamos em uma atuação multidisciplinar, a fim de chegarmos às melhores soluções jurídicas para nossos clientes.

Com mais de 130 avaliações no Google (nota 4.9 de 5.0), estamos à disposição para te ajudar nas questões jurídicas que necessitar.